Rede estadual de Saúde registra redução na taxa de internação hospitalar por Covid-19 em Imperatriz

Hospital Macroregional Ruth Noleto

Foto: Divulgação

O Governo do Maranhão tem registrado uma redução de 14% na taxa de internação hospitalar por Covid-19, em Imperatriz. De acordo com o boletim da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Imperatriz conta com 266 leitos exclusivos para pacientes com o novo coronavírus, sendo 72 leitos de UTI, com cerca de 62% de ocupação; e 194 leitos clínicos, com 37%, destes, ocupados.

Na primeira quinzena de abril, as taxas de ocupação global nas unidades estaduais eram de 50% nos leitos clínicos e 83% em leitos de UTI. Ao final da segunda quinzena a redução já era de 40% em leitos clínicos e 60% de terapia intensiva, com ocupação global de 45%, apontando queda de 14% em relação à primeira quinzena do mês de abril.

“O Maranhão tem avançado na imunização e ainda vem cumprindo medidas restritivas que podem ter contribuído para a redução da busca por assistência hospitalar na região de Imperatriz. Esse cenário é muito positivo, considerando que o Governo, com os investimentos realizados, tem conseguido oferecer na rede estadual de saúde atendimento aos que precisam”, disse o secretário adjunto de Atenção à Saúde da SES, Carlos Vinícius Araújo.

Em Imperatriz, a rede estadual de Saúde conta com três unidades para a internação das pessoas diagnosticadas com a Covid-19: o Hospital de Referência Covid-19, o Hospital Macrorregional Drª Ruth Noleto e o Hospital Regional Materno Infantil.

Conforme fluxo estabelecido, a porta de entrada dos pacientes suspeitos da Covid-19 é a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Bernardo Sayão, que funciona em regime de 24h, 7 dias da semana. Lá o paciente passa por uma triagem, é avaliado e, caso necessário, encaminhado para assistência médica. O referenciamento é via Central Interna de Regulação (CIR) para uma das três unidades hospitalares.

No Macrorregional Drª Ruth Noleto, por exemplo, a queda de internação tem refletido no retorno gradativo ao funcionamento do hospital. Segundo o diretor administrativo da unidade, Felype Hanns, a adoção das medidas sanitárias e a vacinação têm sido determinantes.

“São as ações que mais têm contribuído para que a queda na internação seja tão acentuada. Todavia, ainda estamos orientando as pessoas a manterem as medidas sanitárias e de distanciamento social pois, somadas à vacinação, ganharemos mais tempo e, consequentemente, mais pessoas protegidas, seja por meio da imunização ou do cumprimento dos protocolos sanitários”, pontuou.

Ainda no Hospital Macrorregional de Imperatriz, a redução na ocupação de leitos por Covid-19 permitirá o retorno da assistência a outras patologias. Dentre as previsões estabelecidas pela unidade estão, ainda no mês de maio, a volta das consultas para as cirurgias eletivas gerais de cabeça e pescoço, além das consultas para procedimentos vasculares e de ginecologia.