Governo promove Dia D para diagnóstico precoce da hanseníase

Dia D para diagnóstico da hanseníase aconteceu no Centro de Saúde Dr. Genésio Rêgo (Foto: Rogério Sousa)

Em alusão ao Janeiro Roxo, que chama atenção para o combate à hanseníase, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) realizou, neste sábado (18), o Dia D da campanha no Centro de Saúde Dr. Genésio Rêgo, em São Luís. A ação contou com orientação educativa e oferta de consultas médicas para avaliação de sinais e sintomas da doença.

“Estamos com o objetivo ousado de diminuir em pelo menos 90% os casos da hanseníase em até três anos. Com as ações realizadas, queremos tratar as pessoas e com isso impedir que a transmissão da doença seja continuada. Ações como esta ajudam a diminuir a desinformação e também combatem o preconceito, infelizmente ainda muito presente quando o assunto é hanseníase”, disse o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

Na ação, médicos fizeram avaliação de manchas brancas ou avermelhadas na pele, nódulos ou placas pelo corpo, principais sintomas visíveis da doença. Pacientes de todas as idades aproveitaram o fim de semana para participar das consultas com especialistas.

Abgail Trindade, de 42 anos, ficou sabendo do Dia D e resolveu levar a filha Dayla Vitória, de 13 anos. “Há mais ou menos cinco anos apareceram algumas manchas na mão dela e também pequenos carocinhos. Na época, a dermatologista disse que era uma dermatite e conseguimos tratar, mas agora voltou e quando soubemos da ação resolvemos aproveitar para ter um novo diagnóstico”, compartilhou.

Cícero Aquino aposta na prevenção e não espera ficar doente para procurar ajuda médica (Foto: Jardel Scot)

Quem também aproveitou a ação foi o autônomo Cícero Aquino Silva, de 68 anos. “Eu passei um tempo acompanhando a minha esposa no hospital e quando ela recebeu alta notei uma pequena mancha no meu joelho e pouco tempo depois sumiu. Como eu não espero ficar doente para procurar ajuda médica, resolvi aproveitar a atividade e assim fazer minha consulta”, contou.

Quem receber diagnóstico positivo para hanseníase será encaminhado para a unidade básica de saúde mais próxima de casa para dar início ao tratamento. Para fortalecer o combate à doença, a SES treinou mais de 3 mil profissionais de saúde dos 217 municípios para realização de triagem, identificação e tratamento.

Busca Ativa

Por meio do diagnóstico precoce, a meta é reduzir em 90% os casos de hanseníase no Maranhão (Foto: Rogério Sousa)

Segundo a coordenadora do Programa Estadual de Controle da Hanseníase do Maranhão, Maria Raimunda Mendonça, além do Dia D, a busca ativa por pacientes tem sido realizada simultaneamente em todo o Maranhão. “Nosso objetivo é identificar e tratar todo aquele que procurar nossas unidades. Temos enfatizado a mobilização para que as pessoas tanto recebam assistência como tenham acesso à informação, no intuito de não diminuir a detecção”, pontuou.

O diagnóstico precoce da hanseníase, bem como a adesão ao tratamento, ainda é a principal estratégia para interromper a cadeia de transmissão. Em 2019, o Maranhão registrou 2.997 novos casos da doença no estado – uma redução de 3,5% em relação a 2018, quando foram registrados 3.105 casos. O resultado é fruto, principalmente, do trabalho educativo e de treinamento de profissionais de saúde, desenvolvido pelo Programa Estadual de Controle da Hanseníase.