Mais de 130 estudantes participam de formatura na unidade do IEMA em Bacabeira

Colação de grau no IEMA em Bacabeira emocionou os estudantes (Foto: Divulgação)

Cento e trinta e seis alunos da unidade plena de Bacabeira do Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA) colaram grau na noite da última quinta-feira (9). O grupo é composto por 69 alunos do curso técnico em Administração, 36 de Logística e 31 de Mineração.

A cerimônia de colação de grau reuniu a diretoria do IEMA: o reitor Jhonatan Almada; o diretor de Ensino, Elinaldo Silva; e o diretor de Planejamento, Gustavo Andrade, além de gestores, professores e familiares dos formandos estiveram presentes na solenidade. O sentimento de alegria, satisfação e gratidão tomou conta da escola.

Em seu discurso, o reitor Jhonatan Almada enfatizou que o IEMA completou cinco anos dia 2 deste mês. Para Almada, que mencionou o compromisso do governador Flávio Dino com a educação, foram cinco anos de muito esforço para tirar o projeto do papel e transformá-lo em uma instituição de resultados concretos capaz de resgatar a esperança das pessoas na escola pública.

“Ao longo desses cinco anos temos tratado a educação de forma séria. Chegamos a 34 unidades espalhadas pelo Maranhão. A meta é que em 2022 sejam 100, para que todas as regiões do estado tenham um ponto de presença do IEMA e os jovens a oportunidade de fazer educação profissional, científica e tecnológica como oferecemos aqui”, declarou Almada.

O reitor lembrou o objetivo do IEMA – que seus alunos sejam sujeitos autônomos, solidários e competentes – e falou do pioneirismo do Instituto. “Esta unidade é uma das pioneiras, ela é do período em que muitos pais não queriam matricular seus filhos porque não acreditavam na escola pública. Agora nosso seletivo de alunos é muito disputado”, lembrou.

Bastante grata ao Instituto, onde fez o curso técnico em Administração, a formanda Franciele Dias Lima – primeira ‘Reitora por um dia’ do IEMA – afirmou pouco antes de colar grau que, se pudesse definir o Instituto em uma frase, diria que “ele é a escola da conquista, bem mais que da escolha”.

Com essa afirmação, Franciele traduziu o sentimento de gratidão da maioria dos formandos, em grande número egressos da rede pública municipal de ensino. Franciele lembra que eles tiveram suas vidas transformadas depois que entraram para a escola, pois o IEMA mostrou a cada um suas qualidades, os potenciais e os ajudou a desenvolvê-los. Para esses jovens, a formatura é a consolidação de um sonho.

“Quando iniciei aqui, sabia que começava uma nova fase da minha vida com o ensino médio. O que eu queria era uma escola de qualidade, onde poderia ver meus sonhos realizados e professores de qualidade. Tudo isso encontrei aqui. O IEMA significa muito para mim. É onde realizei sonhos, fiz amizades, tive uma família. Ele não é apenas uma escola, é uma segunda casa”, enfatiza Franciele.

Para o gestor administrativo financeiro da unidade plena de Bacabeira, Antônio José Lopes, o sentimento é de dever cumprido ao ver mais quatro turmas se formando. Antônio afirma que é uma luta árdua diária, não apenas da UP Bacabeira, e sim do IEMA como um todo, mas que é muito gratificante fazer parte desse projeto.

“Eles saem daqui transformados, tanto socialmente quanto intelectualmente, com perspectiva profissional. O IEMA realmente transforma a vida desses alunos”, comentou.

A próxima formatura será dos alunos da UP Coroatá, agendada para o dia 17 de janeiro. No total, são mais 113 formandos. Eles concluíram o ensino médio e o técnico em Agricultura, Informática e Zootecnia (avicultura). Desse número, 27 de Agricultura, 62 do Curso de Informática e 24 de Zootecnia (avicultura).

Comentários

Comentários