Governo e OPAS capacitam profissionais de saúde para prevenção e tratamento de doenças infantis no Maranhão

Chefe do Departamento de Atenção à Saúde da Criança e do Adolescente da SES, Raimunda Formiga (Foto: Márcio Sampaio)

O Governo do Maranhão, em parceria com a Organização Pan-Americana em Saúde (OPAS), investe na qualificação da Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância (AIDPI). A capacitação ocorrerá entre 25 e 29 de novembro, no auditório da Escola Técnica do SUS (ETSUS), em São Luís.

A estratégia AIDPI está inserida na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC). Vinte e quatro profissionais médicos e enfermeiros da atenção básica participarão da capacitação na área de AIDPI. Foram convidados representantes das regionais de saúde de Barra do Corda, Imperatriz, São João dos Patos e Balsas.

De acordo com a chefe do Departamento de Atenção à Saúde da Criança e do Adolescente da SES, Raimunda Formiga, a qualificação promove o fortalecimento das ações de diagnóstico precoce, manejo de doenças prevalentes na infância, ações de prevenção de doenças crônicas e o cuidado dos casos diagnosticados com o fomento da atenção e internação domiciliar.  “A implementação das estratégias e o planejamento das ações em atenção à saúde da criança são essenciais para o alcance dos objetivos e metas de melhoria das condições de saúde. Iremos abordar os principais problemas que acometem crianças menores de cinco anos de idade, identificando os sinais clínicos que permitam fazer uma triagem rápida e reduzir a morbimortalidade nesta faixa etária”, afirmou.

A capacitação contará com a participação de equipes da Superintendência de Atenção Primária em Saúde, dos Departamento de Atenção à Saúde da Criança e Adolescente (DASCA) e da Mulher (DASMU), Programa Saúde da Família (PSF), Forca Estadual de Saúde do Maranhão (Fesma), da Secretaria Adjunta de Assistência à Saúde (SAAS), do Distrito Sanitário Especial Indígena do Maranhão (DSEI) e das Secretarias Municipais de Saúde de São Luís e São José de Ribamar.

Segundo o Ministério da Saúde, a estratégia AIDPI se alicerça em três pilares básicos: o primeiro é a capacitação de recursos humanos no nível primário de atenção, com a consequente melhoria da qualidade da assistência prestada; o segundo é a reorganização dos serviços de saúde, na perspectiva da AIDPI; e o último é a educação em saúde, de modo que haja uma participação de todos na identificação, condução e resolução dos problemas de saúde, especialmente os menores de 5 anos de idade.

Comentários

Comentários