Representantes da FT-Vida de proteção à vida indígena são apresentados à COEPI

Última reunião ordinária da Coepi de 2019 (Foto: Divulgação)

A Comissão Estadual de Articulação de Políticas Públicas para Povos Indígenas (Coepi) iniciou, na terça-feira (19), sua última reunião ordinária de 2019. As primeiras pautas do evento, que se estenderá até hoje (21), foram: análise de conjuntura, o decreto que cria a FT-Vida de proteção à vida indígena e apresentação dos membros que a compõem, as ações desenvolvidas pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SEMA) e a apresentação do Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, diante das graves ameaças que os povos indígenas têm sofrido.

Na oportunidade da reunião, o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, apresentou à Comissão os membros da FT-Vida. Explicou como serão desenvolvidos os trabalhos pela equipe, que é composta por representantes da Polícia Civil, o delegado André Gossain; da Polícia Militar, o coronel Nilson Ferreira; e do Corpo de Bombeiros, o 2° tenente Jean Corrêa.

“Nós vamos estudar toda questão indígena e atuar na parte de segurança pública nas áreas externas de terras indígenas para impedir a aproximação de criminosos, mas é claro que precisamos conversar com as lideranças indígenas para conhecer a realidade, os problemas vividos por eles e levar a força tarefa a desenvolver todos os atos de proteção aos povos impedindo a prática de delitos em todo o estado do Maranhão”, assegurou o secretário de Segurança Pública.

O titular da Sedihpop, Francisco Gonçalves da Conceição, destacou a importância da vida indígena, “seja ela humana ou territorial, é fundamental para o desenvolvimento e bem-estar de todos os maranhenses, uma vez que essa população está diretamente ligada a preservação dos recursos naturais e desse respectivo modo de vida”, pontuou.

Nesse sentido, o secretário de Estado de Meio Ambiente, Rafael Carvalho Ribeiro, reforçou a atuação da SEMA na garantia dos direitos dos povos indígenas. “Hoje, o Governo do Maranhão é um marco nacional nos programas de defesa da vida indígena, já que conseguimos intercalar o desenvolvimento econômico sustentável das zonas de amortecimento com a vivência cultural dos povos indígenas”, disse.

Ao também falar sobre o decreto que institui a força tarefa, o coordenador do programa povos indígenas do Instituto Sociedade População e Natureza (ISPN), João Guilherme, avaliou que aliar a construção de futuros de bem viver e de gestão ambiental e territorial com os indígenas é uma medida não só para atender situações emergenciais, mas para traçar estratégia de melhoria da situação.

Comentários

Comentários