Maranhão é destaque pelo crescimento de unidades da Atenção Primária que ofertam Práticas Integrativas e Complementares

Usadas como complemento em tratamentos em saúde, as Práticas Integrativas e Complementares (PICs) são recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais

O Maranhão se destacou entre os estados brasileiros pelo aumento no número de estabelecimentos de saúde na Atenção Primária que ofertaram as Práticas Integrativas e Complementares (PICs) em 2018. Em relação ao ano anterior, o estado teve um incremento de 87 unidades ou 14%. As informações são parciais e constam em um relatório do Ministério da Saúde, com base no Sistema de Informação da Atenção Básica (SISAB).

Usadas como complemento em tratamentos em saúde, as Práticas Integrativas e Complementares (PICs) são recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para prevenir e tratar diversas doenças. Atualmente, 29 procedimentos de PICs constam na lista do Ministério, como acupuntura, fitoterapia, aromaterapia, cromoterapia e meditação.

“Além de investir nessas práticas em nossas unidades, o Governo continua trabalhando no sentido de incentivar, informar e capacitar os municípios para a implantação dessas abordagens de cuidado integral à população”, avalia o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

Segundo o relatório do Ministério da Saúde, em 2018, 14.456 unidades de saúde da Atenção Primária em 4.323 municípios brasileiros ofertavam as PICs à população – em 2017, este número era de 13.123 estabelecimentos, um aumento de 10%.

O documento do órgão federal destaca ainda “um crescimento considerável” nos estados de São Paulo (+321 unidades), Minas Gerais (+251 unidades), Rio Grande do Sul (+ 108 unidades), Maranhão (+87 unidades), Pará (+ 85 unidades), Distrito Federal (+ 66 unidades).

Em 2017, 526 estabelecimentos estavam registrados em 177 municípios maranhenses com a oferta de alguma prática integrativa ou complementar. No ano seguinte, com o acréscimo de 87 unidades, esse número passou para 613 em 179 municípios – um aumento de 14%, maior do que o crescimento nacional. Como os municípios têm até o final deste ano para inserir no sistema dados referentes a 2018, existe a possibilidade de aumento da taxa.

Nacionalmente, os atendimentos individuais com maior destaque em 2018 foram antroposofia aplicada à saúde, Medicina Tradicional Chinesa e plantas medicinais/fitoterapia. Embora, o relatório não especifique os números por estado, no Maranhão tem se destacado a plantas medicinais/fitoterapia, devido, principalmente, ao trabalho desenvolvido pelo Programa Farmácia Viva. Até outubro, a programa estadual havia inaugurado em parceria com os municípios 49 hortos.

Usadas como complemento em tratamentos em saúde, as Práticas Integrativas e Complementares (PICs) são recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais

Capacitação

Para a responsável técnica pela Política Estadual de PICs da SES, Silvanilde Carvalho, ainda existe um cenário de subnotificação dos estabelecimentos que oferecem as técnicas.

“Só é considerada oferta, quando a unidade que executa informa no sistema. Muitas vezes, o Município nos diz que tem, mas não aparece no sistema. Ou seja, ele oferta, mas não registra. Existe uma subnotificação de informações e a oferta sem notificação não gera reconhecimento, nem para recurso, nem para as estatísticas”, informa.

O Governo do Estado tem investido em formação de gestão e de modalidades terapêuticas para aumentar a oferta e o registro de unidades. Este ano, um curso com seis módulos em gestão de PICs foi ofertado, além dele, um curso em aromaterapia ocorreu em outubro – o de cromoterapia está agendado para ocorrer este mês.

“Temos feito um trabalho de conscientização e capacitação dos municípios para oferta de PICs, investindo em gestão. Nosso papel principal, neste fomento, é de formação, para dar suporte para que ele possa implantar e ampliar a oferta”, destaca Silvanilde Carvalho.

Sobre as PICs

As Práticas Integrativas e Complementares (PICs) são recursos terapêuticos, baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para prevenir diversas doenças, como depressão e hipertensão. Em alguns casos, também podem ser usadas como tratamentos paliativos em algumas doenças crônicas. O uso baseia-se no tratamento integrado entre medicina convencional e práticas integrativas e complementares.

Números
– 14% foi o aumento registrado de estabelecimentos de saúde da Atenção Primária no Maranhão que ofertavam as PICs
– 613 unidades de saúde maranhenses da Atenção Primária disponibilizaram as PICs em 2018 à população
– 179 municípios registraram a oferta dos serviços no Maranhão em 2018
Fonte: Sistema de Informação da Atenção Básica (SISAB)