Polícia Civil elucida caso de triplo latrocínio em Araioses

Coletiva aconteceu na tarde desta quinta-feira (2), na sede da Secretaria de Estado da Segurança Pública

Durante uma coletiva de imprensa realizada na sede da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), realizada na tarde desta quinta-feira (2), equipes da Polícia Civil apresentaram o resultado de uma operação que culminou com a prisão de Aroldo Brito Nascimento, Ítalo Castro Machado, conhecido como “Júnior” e Marcelo Vitor Castro Araújo, todos suspeitos de participação em um triplo latrocínio ocorrido em janeiro deste ano, na cidade de Araioses, município distante 480 km da capital maranhense, São Luís.

Os três citados são acusados de terem cometido no último dia 17, no povoado Capitão, um latrocínio que teve como vítima Francisco das Chagas Silva, de 67 anos, quando este teria sido atraído pelo bando até a residência de um dos acusados (Aroldo) com o pretexto de lhe oferecer um terreno. No interior da residência a vítima teria sido rendida sob a mira de um revólver calibre 38, em seguida a mesma foi morta por enforcamento e enterrada nos fundos da casa de Aroldo, local onde o corpo foi encontrado. De acordo com o delegado de Araioses, Raphael Reis, o motivo do crime seria o roubo da motocicleta da vítima.

Em outro ato criminoso do bando, só que desta vez ocorrido no último dia 21, as vítimas identificadas como José do Nascimento e José de Arimatéia Lima, este último portador de doenças mentais, foram abordados pelo acusado (Aroldo) no momento em que chegavam em casa. Neste momento, os outros suspeitos invadiram a residência pela porta dos fundos da casa. De acordo com delegado Raphael Reis, um dos acusados sabia que no interior da casa, uma das vítimas guardava enterrada em um dos cômodos uma certa quantia em dinheiro, em posse dessas informações o bando deu início às escavações no intuito de localizar o dinheiro, porém não tendo êxito ao final.

As investigações apontam que não satisfeitos e por ordem de Aroldo, o restante dos criminosos de forma fria, enterraram as vítimas vivas em uma das covas feitas no interior da residência, vindo logo depois os corpos a serem encontrados pela Polícia.

A elucidação do crime se deu com a localização da motocicleta da vítima do primeiro caso em um povoado chamado Cana Brava, onde foi constatado que o veículo teria sido vendido a terceiros pelos quatro acusados. Em posse dessas informações equipes da Polícia Civil deram início as buscas com o objetivo de prender os quatro acusados, e obtiveram êxito. Durante seus interrogatórios o bando confessou a autoria dos crimes.

Ainda de acordo com o delegado regional de Chapadinha, Jacqueson Ferreira, os três suspeitos já constam com passagens criminais, como o Aroldo que tem acusações pelo crime de ameaças no estado de Goiás, Ítalo que consta como suspeito de cometer dois homicídios da cidade de Tutóia, além de Marcelo que é suspeito de assassinar sua própria irmã na cidade de Raposa. Os três acusados devem ser encaminhados ao centro de triagem do Complexo Penitenciário de Pedrinhas, onde devem aguardar um parecer do Poder Judiciário. As investigações serão mantidas para localizar o quarto acusado de participação no triplo latrocínio.

A coletiva contou, ainda, com a presença do secretário de Estado da Segurança Pública, Jefferson Portela, do delegado geral da Polícia Civil do Maranhão, Lawrence Melo, do comandante geral da Polícia Militar do Maranhão, coronel Frederico Pereira, do superintendente de Polícia Civil no Interior (Spci), Dicival Gonçalves, e do superintendente de investigação criminal (Seic), Tiago Bardal.  

Ao final da apresentação, Portela adiantou que durante a noite desta quinta-feira (2) uma operação integrada entre as Polícias do Maranhão, batizada de ‘Operação Saturação’ dará início às ações ostensivas nas ruas do Centro Histórico, lugares esses onde serão promovidos os eventos de pré-carnaval. “Faremos um trabalho ostensivo e intensivo em todo o entorno do Centro para inibir ações de criminosos, onde desde de já serão instaladas barreiras de revistas aos acessos da folia”, disse Jefferson Portela.