Nova gestão do Cedrus toma posse em São Luís

 

Conselho Cedrus é formado por representantes do poder público e da sociedade civil.: Foto/Divulgação

A nova gestão do Cedrus (Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário) tomou posse nesta última semana, no Auditório da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar, em São Luís.

O Conselho é formado por representantes do poder público e da sociedade civil, contando com associações e movimentos sociais, tem como principal objetivo o fortalecimento de políticas públicas, por meio de ações conjuntas, visando o desenvolvimento da agricultura familiar no Estado.

Para Luciene Dias, presidente empossada, a lei que cria o Cedrus é o reconhecimento da importância do diálogo entre o poder público e a sociedade civil na construção de um desenvolvimento rural sustentável e solidário, de fato. “O Cedrus vem para aumentar a capacidade de articulação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento da agricultura familiar, englobando temas inerentes, como: o extrativismo, acesso à terra, reforma agrária, territórios tradicionais, recursos hídricos, sistemas de produção sustentáveis ou agroecológicos, além da própria comercialização”, enfatizou.

Ainda de acordo com a presidente, tais pautas serão melhor assistidas a partir de um conselho paritário que abra discussões acerca das problemáticas, buscando soluções conjuntas. Com a representatividade do Conselho, governo e sociedade buscam obter ainda mais avanços para a agricultura familiar, além de maior representatividade.

O Presidente da Unicafes (União da Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária do Estado), Joaquim Alves Silva, afirma que é necessário ter e garantir maior destaque para os assuntos da agricultura familiar. “Quanto mais representatividade, melhor. Assim, garantimos mais espaço para buscar e manter direitos adquiridos em tantos anos de luta”; reitera o presidente.

O Secretário de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Adelmo Soares, disse que está muito feliz com mais esse avanço obtido, que envolve atores importantes para que as políticas públicas cheguem a quem mais precisa. “O Conselho reafirma o interesse do Governo do Estado em promover uma gestão participativa, pois é necessário ouvir as necessidades e obstáculos de cada setor. Com a nova gestão, e o conselho paritário poderemos caminhar juntos para garantir mais conquistas ao agricultor familiar maranhense”, apontou o Secretário.

Para o presidente da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural – AGERP, Júlio César Mendonça, era uma reivindicação dos movimentos sociais que houvesse a alternância de poder na presidência do Cedrus. “O governador Flávio Dino coloca os movimentos sociais como prioridade em seu Governo, foi instituído que em dois anos o Conselho será administrado pelo poder público e em outros dois pela sociedade civil organizada”.

Estiveram presentes na solenidade representantes dos movimentos sociais, bem como gestores estaduais, lideranças políticas e parceiros, entre eles, o Conselho Estadual do Meio Ambiente e a SEDIHPOP – Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e Participação Popular, além de representante do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural de Gonçalves Dias, do CODETER- Rede Estadual de Colegiados, do Fórum de Interconselhos, do Movimento dos Trabalhadores sem Terra -MST, do Banco do Nordeste, do INPP, do INCRA e sociedade civil.

Cedrus: anos de luta e história

Nos últimos 12 anos, o Cedrus passou por diversas mudanças de estrutura e organização. Foram inúmeras reuniões e diálogos até a formulação da lei que garantiu e respaldou, de fato, o Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário.

Desde a primeira reunião extraordinária, ocorrida em 14 de abril de 2015 até a criação da lei 10.491 de 18 de julho de 2016, o Cedrus ganhou corpo, voz e vez. Foi este o pontapé inicial para que sociedade civil e poder público fizessem suas indicações de representação.

Atualmente, o Conselho é formado por representantes da Associação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas do Maranhão (ACONERUQ), Associação em Áreas de Assentamento no Estado do Maranhão (ASSEMA), Cooperativa de Trabalho e Serviços Técnicos (COOSERT), Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura do Estado do Maranhão (FETAEMA), Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Maranhão (FETRAF-MA), Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB), Associação Agroecológica Tijupá e UNICAFES, representando a Sociedade Civil. O Poder Público está representado pela Assembléia Legislativa, Companhia Nacional de Meio Ambiente – CONAB, Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social -SEDES, Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais – SEMA, SISTEMA SAF (AGERP, ITERMA, SAF) e UEMA.

Após a Solenidade de Posse, teve início a primeira reunião ordinária do Conselho com os membros recém- empossados.