Lideranças da área Itaqui-Bacanga aprovam instalação do IEMA na região

Representante da juventude da área Itaqui-Bacanga, Luziano Campos. Foto: Handson Chagas/Secap

Lideranças comunitárias da área do Itaqui-Bacanga falam dos impactos positivos que as novas instalações do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA) trazem para a região. Entre as expectativas relatadas pelo público, a qualificação profissional e a geração de emprego para os moradores de 65 comunidades do entorno. A área Itaqui-Bacanga abrange aproximadamente 350 mil moradores.

O governador do Maranhão, Flávio Dino, oficializou a entrega do IEMA Itaqui-Bacanga na última quarta-feira (7). “Estamos deixando para trás a época onde, para se inaugurar três escolas no Maranhão, eram preciso oito anos. Hoje bastam 24 horas. Nesta última semana, serão seis escolas entregues à juventude e aos educadores do Maranhão”, destaca Dino.

O novo IEMA faz parte da política de implantação de escolas técnicas de tempo integral que o Governo do Estado coloca em prática há três anos. “Nenhum Estado do Brasil faz um esforço tão sério quanto este que nós fazemos aqui no Maranhão. Nós priorizamos a educação de verdade, esse é o verdadeiro caminho para o desenvolvimento e para a justiça social”, afirma o governador.

Quem conhece bem as demandas da região elogia a atuação do Governo ao proporcionar educação profissionalizante e um futuro para centenas de crianças e adolescentes. “Isso aqui representa, além de um sonho de se conseguir uma escola desse tamanho, a materialização da qualidade social. Nossa região era uma das áreas mais violentas, e hoje se tornou educativa e até comercial, tirando a marginalidade de cena”, conta José Ribamar Bezerra, o Paêta, que é membro e fundador da Associação Comunitária do Itaqui-Bacanga (ACIB).

José Ribamar Bezerra, o Paêta, é membro e fundador da Associação Comunitária do Itaqui-Bacanga. Foto: Handson Chagas/Secap

Paêta conta que a chegada do IEMA e a transformação das escolas estaduais Dayse Galvão, na Vila Embratel e a Y Bacanga, em escolas de tempo integral, promovem o ensino de qualidade, suprindo a necessidade da área. “A vinda da escola técnica do Governo do Maranhão para dentro do Itaqui-Bacanga valoriza os moradores”, comenta.
Representante da juventude da área Itaqui-Bacanga, Luziano Campos fala da satisfação em ter uma unidade do IEMA na área, onde os jovens vão ter acesso a capacitação profissional. “Sabemos que o mercado de trabalho só recruta profissionais qualificados, realidade esta que será nossa, com a instalação do Instituto. Agora nós temos a ferramenta que fará com que o jovem ingresse nas grandes empresas instaladas na nossa região”, relata.

Presidente da União de Moradores do Residencial Paraíso, River Souza reitera que os investimentos em educação são fatores fundamentais para a liberdade e desenvolvimento das comunidades. “O equipamento chega trazendo ocupação múltipla para os estudantes da região e, de certa forma, a profissionalização. E aqui é um polo industrial que necessita dessa mão de obra qualificada”, complementa.

Representante da juventude da área Itaqui-Bacanga, Luziano Campos. Foto: Handson Chagas/Secap

O prédio do IEMA Itaqui-Bacanga tem salas de aula amplas e refrigeradas, auditório e banheiros adaptados para receber alunos com deficiência. Recebeu adequação no refeitório, urbanização da área e instalação de laboratórios para os cursos de eletrotécnico, eletromecânica, informática para internet e portos.

Com a instalação da nova unidade, o Governo continua com os investimentos para a formação e profissionalização da juventude, sem deixar de auxiliar as famílias da região com oportunidades de emprego e renda, com a formação de mão de obra qualificada para o setor industrial, tendo em vista empresas como a Vale e o Porto do Itaqui.

O prédio do IEMA Itaqui-Bacanga tem salas de aula amplas e refrigeradas, auditório e banheiros adaptados . Foto: Karlos Geromy/Secap