Governo inaugura hortos medicinais da Farmácia Viva em Arame

Programa é importante para auxiliar no tratamento de diversos problemas. Foto: Francisco Campos /SES

O Governo do Estado inaugurou, nesta quinta-feira (16), os primeiros hortos medicinais do Programa Farmácia Viva. O programa, vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (SES), conta com o apoio dos profissionais da Força Estadual de Saúde (Fesma) e da Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF). Os hortos estão localizados nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) nos bairros Vila Nonato e Calumbi, no município de Arame. O projeto tem o objetivo de orientar a população tecnicamente a fazer o uso correto das plantas medicinais.

A coordenadora do Farmácia Viva, Kallyne Bezerra, explicou o papel do programa na construção de melhorias na área da saúde do município. “Esse é um momento muito importante e um marco para a Farmácia Viva, projeto incentivado pelo governador Flávio Dino, em reconhecimento pelo trabalho desempenhado pela professora Terezinha Rego. Nossa proposta é transformar a cultura popular em ciência e aplicá-la em prol da população. Estou muito feliz com esse avanço em Arame”, ressaltou.

Nos hortos estão sendo cultivadas plantas medicinais como insulina, mastruz, santa quitéria, picão, vick, erva cidreira, hortelã da folha grossa, boldo do Chile, hortelãzinho, cravo de defunto, manjericão e cana-da-índia. As espécies, apesar de não substituírem a medicação tradicional, auxiliam no tratamento de problemas renais, gastrite, dores musculares, diabetes, disfunções hepáticas, hepatites, verminoses, amidalite, doenças gastrointestinais e gripe. A proposta dos canteiros é, também, fornecer mudas para que os cidadãos possam cultivar as plantas em suas casas.

Profissionais da saúde destacam a importância do horto medicinal. Foto: Francisco Campos /SES

A produtora Rosilene Alves, moradora do Calumbi, foi a primeira a levar mostras de mudas para a sua casa. “Acho que esse é um projeto muito bom. Eu já havia plantando antes, mas agora estou sendo melhor orientada e pretendo usar as plantas para cuidar mais da minha saúde e da minha família. Estou aguardando as instruções escritas para aproveitar de forma adequada as espécies que estou cultivando”, disse a produtora.

A população e a Farmácia Viva contam com o auxílio dos profissionais da Fesma e da SAF. “Esse é o primeiro de muitos que vamos inaugurar aqui, já que a gestão municipal apoiou essa causa. A gente espera que a população se empodere desse espaço”, contou a nutricionista da Fesma, Waléria Costa. “Esse horto veio para beneficiar a comunidade. Estamos aqui para ajudar a população no que for preciso”, completou o engenheiro agrônomo Eltton Gaspar.

Os primeiros hortos são resultados do programa, que está em desenvolvimento em Arame desde setembro do ano passado, quando o projeto foi apresentado à comunidade. Outros municípios serão contemplados com a criação dos hortos. Os próximos, assim como Arame, também estão entre os trinta municípios de menor IDH do estado, são eles: São Roberto, Santa Filomena, São João do Caru, Santo Amaro e Belágua. Além desses, o Farmácia Viva está sendo desenvolvido em Icatu, Itaipava do Grajaú, Anajatuba, Balsas e Paço do Lumiar.

Capacitação

Antes da inauguração dos hortos medicinais, o Governo apresentou as ações e objetivos do Programa Farmácia Viva a representantes da gestão municipal. A reunião reafirmou a parceria da prefeitura com o poder público estadual para a implantação e o fortalecimento das atividades do programa no município de Arame.

“Abraçamos esse projeto porque acreditamos que ele pode contribuir com a melhoria da saúde no município. A nossa gestão é parceira do Estado e está à disposição para executar as atividades do Farmácia Viva”, explicou a enfermeira coordenadora da Atenção Básica em Arame,  Méssia de Araújo Alves. A apresentação do programa também foi realizada para os agentes comunitários de saúde, na Câmara Municipal de Arame.

FALA POVO

“É maravilhoso termos esse horto aqui, que veio enriquecer a nossa comunidade. Agradeço e digo, também enquanto usuária, que vamos utilizar e cuidar bem desse espaço”, Preta Passos, agente comunitária de saúde.

“É um projeto muito bom do Governo que vai trazer benefícios para a população, especialmente para os nossos idosos e diabéticos”, Edinete Sousa, agente comunitária de saúde.

“Já ouvi muito os antigos falarem sobre os benefícios de algumas plantas para o organismo. Esse projeto vai ser muito bom para a gente”, Davi Torres, servidor do posto de saúde Pedro Ferreira de Araújo, na Vila Nonato.

“Esse projeto não veio substituir, mas somar com as medicações. Caso surta o efeito esperado, o projeto vai ajudar muito o público e tornar o tratamento muito mais acessível para a população”, Gisele Sousa, enfermeira do posto Valdenor Pereira dos Santos, no Calumbi.

“Estou muito feliz e, desde o início, me coloquei à disposição para trabalhar nesse projeto, que tem a proposta de resgatar esse conhecimento empírico de uma forma científica para beneficiar a comunidade”, Mirian Rabelo, enfermeira do posto de saúde Pedro Ferreira de Araújo, na Vila Nonato.