Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia atrai quatro mil pessoas

Primeira Agritec promovida pelo Estado atrai mais de 4 mil pessoas (1)A 1ª Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão (Agritec), que encerrou no último sábado (29), no município de São Bento, atraiu cerca de quatro mil pessoas. Elas foram à Escola Fazenda da Universidade Federal do Maranhão (Uema) participar do evento, promovido pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (SAF), em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

A feira de São Bento foi aberta pelo governador Flávio Dino e o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, na última quinta-feira (27). Eles anunciaram vários investimentos à agricultura familiar e em outras áreas importantes para o desenvolvimento do estado, como a educação.

Durante a feira, foram capacitadas mil pessoas por meio de 50 cursos, oficinas e palestras. “Deixamos um legado de conhecimento e isso impulsiona a realização das próximas feiras, ainda esse ano, em Açailândia, Caxias e Bacabal”, enfatizou o secretário de Estado de Agricultura Familiar, Adelmo Soares.

Secretário Adelmo Soares destacou a importância do conhecimento para o incremento da agricultura familiar

Secretário Adelmo Soares destacou a importância do conhecimento para o incremento da agricultura familiar

Visitantes da feira participaram de oficinas como a de ‘Fabricação de Sabonete Artesanal à Base de Mel’, conduzida pela professora Rosilene Padinha, da Cooperativa Agroecologica de Meliponicultores da Baixada Maranhense, que produz mel de abelha tiúba.

Uma das alunas da oficina, a agricultora Roclinda Campos, do povoado de Guarapinga, em São Bento, disse que gostou de saber que deve ficar atenta a todos os detalhes em todas as fases do processo de fabricação. “Aprendemos a ter um cuidado com os ingredientes usados na fabricação, já que será um produto usado na pele, e não podemos usar nada que possa causar alergia”.

Produção de peixe
A oficina de ‘Piscicultura para a Agricultura Familiar’ contou com um público atento à abertura de um mercado crescente, graças ao maior consumo de peixes no Brasil, segundo informações do instrutor Fernando Carvalho.

Para o agricultor José Ribamar de Oliveira, de São Bento, o curso serviu como apoio em sua nova empreitada dele como produtor familiar. “Estou começando uma pequena criação de peixes, não sei muito e, por isso, vim aqui. Espero poder aplicar o que aprendi e poder ter uma boa produção de peixes para consumir e ainda vender”.

Na Agritec é possível conhecer o projeto ‘Mais Peixes’ que tem como objetivo incrementar a produção em tanques de polietileno, uma alternativa a outros modelos, como o de concreto e viveiro escavado, que têm custo mais elevado.

Segundo o coordenador do projeto, Cláudio Urbano, a nova estrutura é de rápida instalação e manutenção. Acomoda-se facilmente em vários tipos de terreno, além de possuir durabilidade alta, de até 20 anos. O investimento é baixo, cerca de R$ 6 mil, sendo um equipamento que pode produzir até uma tonelada de peixes em cada tanque em um ciclo de seis meses.

Oficina promovida durante a Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia em São Bento

Oficina promovida durante a Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia em São Bento

Experiência de sucesso
No balanço de encerramento da feira, realizado pelo secretário Adelmo Soares e representantes dos parceiros, os resultados finais foram considerados positivos, levando em conta os benefícios deixados como a construção do campus da Uema, ampliação do acesso dos estudantes da Baixada ao nível superior e a construção de sistemas de abastecimento de água em quatro comunidades rurais de São Bento.

“Tivemos uma troca de experiência fantástica. O Governo do Estado marcou aqui a abertura de um campus e isso vai contribuir muito para o desenvolvimento da Baixada”, ressaltou a professora da Uema, Francisca Neide Costa.

Para o superintendente do Sebrae, João Martins, a agricultura familiar é um empreendimento e, por isso, o agricultor deve ser considerado um empresário. Na avaliação do chefe da Embrapa Cocais, Valdemício Ferreira, a Agritec foi desenvolvida com o propósito de propiciar um ambiente de discussão com o agricultor. “É um espaço de troca de experiências do agricultor com os técnicos”.