3 ANOS DE MUDANÇA – Com consultas em casa, Fesma já fez mais de 700 mil atendimentos

Com consultas em casa, Fesma já fez mais de 700 mil atendimentos. (Foto: Divulgação)

“Dizem que no céu tem socorristas e agora descobri que estes anjos existem aqui na terra também, obrigada meus anjos!”. Foi com essa frase carregada de emoção, que dona Francisca Carvalho, moradora da cidade de Milagres do Maranhão, uma das 30 inseridas no Plano Mais IDH, agradeceu a equipe da Força Estadual de Saúde do Maranhão (Fesma), após ter a vida de seu sobrinho, o pequeno Adriano, que tem menos de um ano, salva graças ao apoio desses profissionais.

Dona Maria de Nazaré Sousa, mais conhecida como dona Nazir, também reside em Milagres do Maranhão, e é acompanhada de perto pelos profissionais da Fesma. Ela tem 64 anos, é hipertensa e diabética e por isso faz parte do grupo prioritário de atendimentos. “O atendimento é muito bom, me apeguei a eles e ao carinho que têm comigo. Eu os amo e não quero pra eles irem embora”, afirma dona Nazir.

  • Saiba mais sobre as ações do governo nestes 3 Anos de Mudança clicando aqui.
Adriano nos braços da enfermeira da Fesma, Ana Paula, em Milagres do Maranhão. (Foto: Divulgação)

Adriano nos braços da enfermeira da Fesma, Ana Paula, em Milagres do Maranhão. (Foto: Divulgação)

A Força Estadual de Saúde já realizou de abril de 2016 até outubro de 2017, mais de 733 mil atendimentos nas 30 cidades que fazem parte do Plano Mais IDH. As equipes são compostas por profissionais de várias áreas da saúde que têm como metas, reduzir as mortalidades materna e infantil, as complicações por hipertensão e diabetes e diagnosticar casos de hanseníase.

Além dos atendimentos os 120 profissionais da Fesma têm como missão dar apoio à gestão local, de modo que as ações continuem seguindo o mesmo método, sem causar prejuízos a população mesmo após a saída das equipes dessas cidades. Ao longo desses quase dois anos, já foram elaborados 150 planos de intervenção, que orientam as ações desenvolvidas pela Estratégia de Saúde da Família (ESF), no município, em conjunto com a Força. Também foram realizadas 278 oficinas temáticas em serviços com equipes locais, para dar continuidade aos processos de qualificação da Atenção Primária.

Para o governador Flávio Dino, a Força Estadual de Saúde é uma iniciativa que muda a cultura política e a forma de ver as políticas públicas, e é uma tarefa tão grande que se trata de um esforço coletivo. “A Fesma é uma das coisas mais certas que a gente faz no nosso Governo. É um investimento de longo curso, não é algo instantâneo, portanto está na contramão da lógica dominante. Tem essa característica de ser uma opção pelo caminho certo, autenticamente duradouro. E nós acreditamos muito no trabalho da Fesma”, reiterou o governador Flávio Dino.

As equipes da Força Estadual de Saúde são um retrato vivo de um governo vocacionado para servir, principalmente, os que mais precisam do serviço público. Só que não é um serviço qualquer, estático ou passivo, mas sim, um serviço que vai aonde está quem mais precisa.

“A Força Estadual de Saúde tem de especial a sua capacidade de inserção em lugares remotos para cuidar de pessoas até então esquecidas. Tem essa capacidade de imersão entre famílias que moram em comunidades rurais, afastadas dos centros urbanos, em lugares quase inacessíveis nos municípios mais pobres e distantes. Contudo, muito além disso, essas equipes da Força trabalham focadas e concentradas no que é mais prevalente e de maior risco”, destaca o secretário de Estado de Articulação das Políticas Públicas, Marcos Pacheco.

Equipe Fesma com a coordenadora Kayllane Bezerra e a doutora Terezinha Rêgo. (Foto: Divulgação)

Equipe Fesma com a coordenadora Kayllane Bezerra e a doutora Terezinha Rêgo. (Foto: Divulgação)

O secretário diz, ainda, que os profissionais trabalham seguindo o método da parametrização assistencial. “Isso os obriga a ‘descobrir’ os pacientes mais vulneráveis e a cuidar deles. Em geral, esses pacientes são crianças que nasceram com baixo peso, gestantes com gravidez de risco, idosos com complicações de diabetes e hipertensão. E isso tudo em populações com grandes fragilidades de sustentabilidade.”

Farmácia Viva

O Governo do Estado instituiu o projeto estratégico Farmácia Viva, por meio da Portaria nº 564, de 24 de agosto de 2017. A Farmácia Viva consiste em um projeto de desenvolvimento das atividades de cultivo, a partir da instalação de hortas de plantas medicinais, tornando acessível à população assistida a planta medicinal in natura, e a orientação sobre a correta preparação e uso dos remédios caseiros.

Os farmacêuticos e nutricionistas da Fesma são os multiplicadores do conhecimento nas cidades que possuem equipes da Força. Eles passaram por capacitação para orientarem as pessoas quanto a forma correta de preparar chás, pomadas, entre outros produtos, com as plantas medicinais. Além disso, com apoio dos técnicos da Secretaria de Agricultura Familiar (SAF) e das gestões municipais, constroem os hortos comunitários, onde são cultivadas as plantas medicinais que ficam à disposição da população.

Dos 30 municípios do Plano Mais IDH, 28 já aderiram ao projeto Farmácia Viva, destes, 9 já tem hortos construídos. Por conta dos resultados satisfatórios desse trabalho, a experiência da Farmácia Viva já foi apresentada em outros estados, como Pará, Sergipe e Tocantins. Além disso, se tornou projeto de pesquisa e extensão da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e Instituto Federal do Maranhão (IFMA).

A fitoterapeuta e coordenadora do projeto, Kallyne Bezerra, pontua que “segundo estudos da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), os fitoterápicos podem substituir aproximadamente 50% dos medicamentos mais prescritos na atenção primária e possuem grandes benefícios, como redução dos efeitos colaterais, baixo custo e boa aceitação por parte da população”.

Equipe da Fesma com gestores locais na inauguração do horto em Jenipapo dos Vieiras. (Foto: Divulgação)

Comentários

Comentários