Governo registra marco dos 100 termos de adesão ao Farmácia Viva

Evento de registro dos termos de adesão ao Farmácia Viva. (Foto: Julyane Galvão)

O Governo do Estado registrou, nesta terça-feira (12), o marco dos 100 termos de adesão ao programa Farmácia Viva em mais de 50 municípios maranhenses, em solenidade realizada no auditório do Palácio Henrique de La Rocque, em São Luís.

O secretário adjunto da Política de Atenção Primária e Vigilância em Saúde da SES, Marcelo Rosa, representando o secretário de Estado da Saúde, falou do alcance do programa. “O marco de 100 termos de adesão assinados reflete o sucesso do projeto Farmácia Viva, além de reforçar a organização para implantação de novos projetos, em função da avaliação dos projetos já implantados. O Farmácia Viva faz parte das práticas integrativas no SUS, que serve de melhoria, na ampliação das terapêuticas”, afirmou Marcelo Rosa.

O programa tem como objetivo fortalecer a percepção dos profissionais da Atenção Primária à Saúde sobre a inserção das Plantas Medicinais nas Unidades Básica de Saúde. A ideia do projeto consiste no cultivo, conservação e utilização de plantas medicinais, bem como a produção de alguns tipos de plantas medicinais (utilizando como matriz as próprias plantas cultivadas), que serão dispensadas no Sistema Único de Saúde – somente com receita médica – sob supervisão do farmacêutico responsável.

O secretário Extraordinário de Articulação de Políticas Públicas, Marcos Pacheco, destacou que o programa é uma iniciativa pioneira criada pelo governador Flávio Dino para ampliar a atenção primária à população em situação de vulnerabilidade no estado.

“O Farmácia Viva é uma resposta dentro dessa perspectiva de que a gente possa usar essas plantas medicinais, e começou pela Força Estadual de Saúde nos municípios do Plano Mais IDH. Em seguida, pelo sucesso que teve, começamos um processo de expansão e chegamos ao marco de 100 municípios do Maranhão. É um avanço muito grande e isso é uma proposta interessante para evitar o excesso de medicalização da sociedade moderna”, destacou Marcos Pacheco.

Além da construção de um horto, com cerca de 70 espécies de plantas medicinais, é feita a capacitação de técnicos para cultivar e entender os usos terapêuticos de cada espécie. Para a coordenadora do Farmácia Viva, Kallyne Bezerra, o programa tem contribuído muito para melhorar a saúde da população.

“Hoje é a consolidação de 100 termos assinados em mais de 50 municípios. A Farmácia Viva hoje se consolida. É o dia em que a gente realmente sabe que os municípios abraçaram a causa não só pelos hortos, mas pelo número imenso de prescrição de planta medicinal e fitoterápico. Essa consolidação se registra na força do uso correto das plantas, que realmente tem trazido muita saúde para toda população do Maranhão”, disse.

A Farmácia Viva foi instituída no Maranhão há pouco mais de três anos, e inicialmente o foco foram os 30 municípios do Plano Mais IDH, dos quais 28 já aderiram ao termo de adesão e nove hortos já foram implantados.

Mais IDH

O projeto estratégico Farmácia Viva foi instituído no Maranhão por meio da portaria/SES/MA n.º 564, de 24 de agosto de 2017. O programa também já foi implantado em 28 dos 30 municípios contemplados no Plano Mais IDH. Os profissionais da Força Estadual de Saúde (Fesma), que atuam nessas cidades, funcionam como agentes multiplicadores para orientar a população a fazer uso de plantas medicinais.

O programa funciona em parceria com as prefeituras municipais na instalação de hortos medicinais, espaços onde são cultivadas plantas utilizadas no tratamento e prevenção de doenças. Municípios que não estão no Plano Mais IDH também podem aderir ao programa.

Comentários

Comentários