Pesquisadores maranhenses são homenageados em noite de entrega do Prêmio Fapema Sergio Ferretti 2018

Mais de 50 pesquisadores foram premiados. (Foto: Divulgação)

O Teatro Arthur Azevedo, um dos símbolos de São Luís e espaço de grandes espetáculos, foi palco da cerimônia de entrega do Prêmio Fapema Sergio Ferretti 2018, na quarta-feira (5), em uma noite de gala da ciência do Maranhão. Mais de 50 pesquisadores, de diferentes áreas do conhecimento e instituições de ensino do estado, subiram ao palco do teatro para receber troféu, certificado e premiação em dinheiro como reconhecimento, valorização e incentivo à pesquisa que desenvolvem em prol do crescimento do Maranhão e melhoria da qualidade de vida das pessoas.

Na contramão de outros estados brasileiros, o Maranhão tem se destacado em investimentos na área da ciência, tecnologia e inovação na gestão do governador Flávio Dino e os resultados foram apresentados durante o Prêmio Fapema. As pesquisas finalistas ao prêmio perpassam por todas as áreas a exemplo da saúde, meio ambiente, educação, cultura, preservação do patrimônio, agricultura, pesca, dentre outras.

A cerimônia de premiação foi presidida pelo diretor da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema), Alex Oliveira, e contou com as presenças do secretário da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), Davi Telles; do deputado estadual e deputado federal eleito, Bira do Pindaré, representando a Assembleia Legislativa do Maranhão; secretários estaduais, municipais, reitores, pró-reitores, pesquisadores, professores, estudantes universitários e do Ensino Médio e familiares dos finalistas ao prêmio que este ano homenageou o professor e antropólogo Sergio Ferretti.

“O Prêmio Fapema representa o trabalho que vem sendo feito no sentido de desenvolver a pesquisa no estado e cada vez mais uma pesquisa voltada para os maranhenses, para os nossos costumes e para as nossas necessidades, para que possamos alcançar o desenvolvimento científico e tecnológico e melhorar a vida das pessoas”, disse Alex Oliveira.

Foram premiadas as melhores pesquisas nas categorias Pesquisador Júnior, Jovem Cientista, Dissertação de Mestrado, Tese de Doutorado, Pesquisador Sênior, Jornalismo Científico, Periódico Científico, Inovação Tecnológica, Popvídeo Ciências, Desenvolvimento Humano e a categoria Homenagem Especial – Prêmio Fapema Sergio Ferretti 2018, que teve como ganhadora Mundicarmo Maria Rocha Ferretti, esposa e companheira intelectual por mais de 50 anos de Ferretti.

A homenageada da noite, Mundicarmo Ferretti. (Foto: Divulgação)

Emocionada, Mundicarmo Ferretti falou em nome de todos os ganhadores. Agradeceu as homenagens e destacou a importância do prêmio para a pesquisa no Maranhão. “Essa homenagem foi importante porque ela mostra o reconhecimento social do trabalho que Ferretti realizou e potencializa o resultado desse trabalho. Eu não esperava também está sendo homenageada, mas de fato o meu trabalho estava muito ligado ao do Ferretti. Vivemos juntos 50 anos e fomos colegas de mestrado, de doutorado e colaboradores um do outro. De forma que está muito difícil perder um companheiro de todos os níveis e de tantos anos”, disse. Sergio Ferretti morreu em maio deste ano.

O secretário da Secti, Davi Telles, falou dos investimentos do governador Flávio Dino na área da ciência e tecnologia e disse que o Prêmio Fapema é uma celebração da pesquisa no Maranhão. “Esse momento de fortalecimento da ciência e tecnologia e inovação tem um marco muito importante, uma assertiva do governador Flávio Dino. Parabéns a todos premiados, aos competidores, a todos que não estão aqui, mas que ofereceram suporte para aqueles que estão disputando e os que foram agraciados com as premiações”, disse o secretário.

Considerado o Oscar da Ciência do Maranhão, o prêmio teve este ano mais de duzentos trabalhos inscritos que foram avaliados por um Comitê de Julgamento formado por 13 consultores ad hoc dos estados de Pernambuco, Piauí, Ceará e Rio Grande do Norte, garantindo assim maior lisura no processo de escolha dos finalistas. Além do troféu oficial do concurso e certificado, os ganhadores receberão uma premiação em dinheiro que varia de R$ 1.750,00 a R$ 14 mil dependendo da categoria, somando um montante de R$ 278.500,00.

O deputado Bira do Pindaré disse que o prêmio é o ponto alto de reconhecimento à ciência no Maranhão. Ele enalteceu o esforço do Governo do Estado, da Fapema, de manter os investimentos na pesquisa mesmo com todas as dificuldades que o Brasil enfrenta. “Aqui a pesquisa não parou e a prova está em mais esse Prêmio Fapema, no qual tenho muita honra de estar presente”, disse.

Reconhecimento

Em seu pronunciamento, o diretor-presidente da Fapema destacou a homenagem a Ferretti e a importância do prêmio. “Esta é uma homenagem muito justa, o Sergio Ferretti sempre participou do prêmio e agora estamos homenageando esse grande antropólogo, historiador, museólogo que fez muito pelo Maranhão, que levou o reconhecimento da nossa cultura negra, do folclore, do Tambor de Mina que foi reconhecido como uma religião de matriz africana a partir de suas pesquisas”, declarou.

Outra homenagem do prêmio, que este ano chegou a sua 14ª edição, foi a identidade visual que destacou a obra do artista maranhense Airton Marinho, inspirado na Festa do Divino, Tambor de Mina e no Tambor de Crioula.

Comentários

Comentários