Governo participa de Seminário das Licenciaturas em Educação do Campo

    Mesa de abertura do Seminário Nacional das Licenciaturas em Educação do Campo. (Foto: Divulgação)

Mesa de abertura do Seminário Nacional das Licenciaturas em Educação do Campo. (Foto: Divulgação)

O Governo do Maranhão participou, nesta terça-feira (5), da abertura do VII Seminário Nacional das Licenciaturas em Educação do Campo, promovido pela Universidade Federal do Maranhão, em parceria com Instituto Federal do Maranhão, Secretária de Estado da Educação e Secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. O seminário, que acontece até está quinta-feira (7), tem como objetivo dar continuidade à agenda coletiva de troca de experiências e de mobilização em defesa do direito à educação do campo.

A solenidade de abertura, no Centro de Convenções, na Cidade Universitária Dom Delgado, em São Luís, contou com a participação de instituições de ensino superior que desenvolvem cursos de licenciatura em Educação do Campo, os movimentos sociais camponeses, gestores públicos, professores, alunos e pesquisadores para debater sobre a consolidação do curso de licenciatura em Educação do Campo, no âmbito das universidades públicas, como uma política estruturante de formação de educadores para atuar nas escolas do campo.

A secretária adjunta de Ensino da Seduc, Nádya Dutra, representou o Secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão, e destacou a importância do seminário para o fortalecimento da Educação do Campo.

“Esse seminário é muito importante para a educação básica, para nós da Seduc, porque discute a educação básica, discute as políticas públicas para educação, no que diz respeito a formação de futuros professores que atuaram com nossos estudantes no campo. Então discutir as diversidades, as particularidades, as singularidades deste local e dessa educação é importante para fortalecer o caminhar na igualdade e na garantia de direitos que o Governo Flavio Dino pretende com o Escola Digna’, destacou Nádya Dutra.

“A nossa ação na Educação do Campo já é bem significativa com o Escola Digna, são ações que vão desde a discussão dos referenciais curriculares específicos para educação do campo, passando pela construção de escolas, valorização dos docentes, e agora temos a confirmação de um concurso específico para o campo. O Governo tem trabalhado de maneira incansável para levar educação de qualidade e todos e a cada maranhense que precisa da educação pública”, destacou Nádya.

A conferência de abertura abordou o ‘Projeto Político Pedagógico das Licenciaturas em Educação do Campo: perspectivas e desafios da conjuntura atual’, e teve como conferencistas a professora doutora, Mônica Castagna Molina (UNB); a professora doutora Maria de Fátima A. Martins (UFMG); e a professora mestra Diana Costa Diniz (UFMA).

“A educação do campo vem dando resultados muito positivos, preparando os professores que estão lidando na área rural. Isso é muito importante e extremamente necessário. E o Governo precisa fortalecer essas ações para que os resultados sejam cada vez melhores. Nós da universidade temos enfrentado algumas dificuldades devido aos cortes no orçamento, e particularmente na educação do campo, que tinha um orçamento específico. Mas, acreditados nessa luta coletiva que é forte e significativa”, disse Nair Portela, reitora da UFMA.

Os cursos de licenciatura em Educação do Campo têm como objetivo formar professores para a docência nos ensinos fundamental e médio, assim como na educação profissional de nível técnico nas escolas do campo. Os cursos visam formar, por área de conhecimento, a interdisciplinaridade, a alternância entre tempos/espaços formativos, onde o aluno alterna o tempo-universidade com o tempo-comunidade/ambiente profissional.
Anexos

Performance realizada por educadores do campo (Divulgação)
Movimento de Trabalhadores Rurais participa do seminário (Divulgação)

Comentários

Comentários