Empoderamento feminino: Menina ocupa cadeira de secretário de Políticas Públicas

2b6366a9-1b2d-49e1-893e-8f09bb0d8780

Meninas em reunião com a coordenação da Força Estadual de Saúde. (Foto: Divulgação)

No Dia Internacional da Menina, celebrado na quarta-feira (11), a Secretaria de Estado Extraordinária de Articulação das Políticas Públicas (Seepp) participou da campanha #MeninasOcupam. Durante todo o dia, duas meninas que participam de programas da Plan Internacional Brasil, acompanharam a rotina do secretário Marcos Pacheco e de sua equipe. Nycole Pinheiro, 15 anos, da comunidade Vieira em São José de Ribamar, passou o dia como secretária de Estado e Gilcilene Costa, 15 anos, da comunidade Inhaúma em São Luís, como sua assessora.

A campanha #MeninasOcupam integra o movimento ‘Por Ser Menina’, que tem como objetivo estimular as meninas a descobrirem suas potencialidades e a terem plena consciência de que podem aprender, liderar, decidir e progredir. A campanha é realizada no mundo inteiro, onde meninas ocupam espaços de gestão do legislativo, executivo e do judiciário para que elas possam levar propostas e pensar políticas públicas voltadas para as meninas.

O dia das duas meninas começou cedo. Logo após o acolhimento, que contou com um café da manhã oferecido pela Seepp, elas participaram de uma reunião com a coordenação da Força Estadual de Saúde (Fesma), um dos programas que compõem o plano Mais IDH. Na oportunidade, conheceram os trabalhos desenvolvidos pelas equipes da Fesma e como tudo é gerenciado. Em seguida, conversaram com membros do Conselho Estadual de Políticas Públicas Sobre Drogas, para se informarem sobre os trabalhos que vêm sendo desenvolvidos para reduzir os problemas causados pelas drogas.

Durante a tarde, a assessora Gilcilene acompanhou a assessora técnica da Seepp, Ana Lúcia Nunes, em uma reunião na Secretaria de Estado da Saúde (SES) para tratar da ampliação da rede de atendimento em saúde mental. Já a secretária Nicole, participou, junto do secretário Marcos Pacheco, de uma reunião na Procuradoria Geral de Justiça, para discutir meios de diminuir o número de acidentes de trânsito no Estado, que contou com a presença de juízes, promotores, secretários de estado e outras autoridades.

Na ocasião, Nicole teve oportunidade de falar sobre este movimento. “O #MeninasOcupam serve justamente para mostrar que nós meninas somos o futuro de uma sociedade e que nós temos vez e voz e precisamos mostrar isso. Nós somos meninas empoderadas e devemos lutar por nossos direitos, mostrar que nossa voz precisa ser ouvida e respeitada”, destacou a menina.

O secretário de Políticas Públicas, Marcos Pacheco, afirmou que “é preciso trabalhar muito para garantir maior protagonismo juvenil, sobretudo das meninas. Essa experiência de ‘ocupação’ de setores da gestão, numa inciativa da Plan Internacional é muito importante nesse contexto, pois nós gestores aprendemos a olhar os problemas com os seus olhos e isso nos oportuniza pensar em outras soluções, alternativas inovadoras a partir de um novo olhar”, pontuou.

Gilcilene Costa e Nicole Pinheiro ocupando a Seepp. (Foto: Divulgação)

Gilcilene Costa e Nicole Pinheiro ocupando a Seepp. (Foto: Divulgação)

As meninas vão continuar ocupando a Seepp. Na próxima quarta-feira (18), elas participarão do encontro de capacitação dos profissionais da Força Estadual de Saúde, para conhecer os profissionais e seus relatos dos trabalhos nos 30 municípios mais pobres do Maranhão.

De acordo com a Plan Internacional, a diferença da garantia dos direitos entre homens e mulheres ainda é muito grande. Para se ter uma ideia, no mundo, menos de 4% dos CEOs que dirigem as 500 principais corporações, são mulheres. Um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs), que visa mudar o mundo até 2030, é alcançar a igualdade de gêneros.

“O movimento #MeninasOcupam é uma forma de dar visibilidade para as meninas, considerando que elas são as que mais sofrem violência e que têm menos oportunidades de terem seus direitos assegurados”, esclareceu Gezyka da Silveira, coordenadora de projetos da Plan Internacional.

Comentários

Comentários