Em encontro com pesquisadores, Flávio Dino defende fortalecimento de institutos de estatística

Mais de cem pesquisadores participam de encontro da ANIPES. (Foto: Karlos Geromy)

O governador Flávio Dino participou, nesta quinta-feira (8), da abertura do XXIII Encontro da Associação Nacional das Instituições de Planejamento, Pesquisa e Estatística (ANIPES), realizada no auditório do Palácio dos Leões, em São Luís. Organizado pelo Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc), o evento reúne mais de 100 pesquisadores de todo o Brasil vinculados a órgãos estaduais e federais de produção e análise de dados.

Flávio Dino defendeu o fortalecimento de institutos de pesquisa e estatística para o desenvolvimento do país. “Nós precisamos avançar no crescimento econômico, no desenvolvimento e só é possível fazer isso com ciência, com planejamento, com método. Esses institutos de pesquisa são fundamentais para que a gente possa ter condições de prognosticar aquilo que nós desejamos, que é um país mais justo”, frisou.

Dino sublinhou o apoio político para o fortalecimento dos institutos e citou a experiência maranhense como exemplo. “É preciso apoiar esses institutos, como temos feito aqui no Maranhão com o Imesc, que desde o começo do mandato estamos investindo em reestruturação física e de recursos humanos”, garantiu.

Sob o tema “Novos Horizontes para as Instituições de Planejamento, Pesquisa e Estatística do Brasil”, o encontro trará discussões como o papel do sistema de planejamento para a evolução do país, formação de sistema nacional de informações, métodos de big data, demandas para a continuidade das pesquisas e priorização do censo demográfico 2020. Com mesas redondas, atividades expositivas e apresentação de trabalhos, o evento segue até sexta-feira (9).

Para Flávio Dino, é o momento de reafirmar premissas para que o bom debate científico e acadêmico continue norteando o país. “Estamos em um momento de proteção e de defesa do patrimônio brasileiro. O primeiro passo de enfrentamento real dos problemas graves que assolam o Brasil é o reconhecimento das suas existências”, disse.

“Encobrir as dificuldades ou tentar alterar metodologias é uma forma de manipulação ideológica. As instituições de pesquisa, planejamento e estatística precisam ser reafirmadas como sinais de luz, são produtoras da verdade tais como elas são”, afirmou o governador.

Presidente do Imesc, Felipe de Holanda explicou o papel dos institutos para o planejamento do país. “Nós fazemos cálculo de Produto Interno Bruto (PIB), em convênio com IBGE fazemos projeções demográficas, temos pesquisas estruturais de comércio, da indústria e da agropecuária, reunimos e analisamos dados primários e secundários”, detalhou.

“Um encontro como esse mostra a efetiva contribuição que esses institutos têm para o diagnóstico e avaliação das políticas públicas. Nos contrapomos a visões simplistas e equivocadas. Estamos nos dirigindo à sociedade e também aos governantes no sentido de garantir importantes programas de pesquisa”, acrescentou Felipe de Holanda.

Na mesma linha, o presidente da Anipes, Júlio Miragaya, afirmou que o encontro demonstra que uma melhor qualidade da informação é fundamental para um planejamento de Governo. “Nós produzimos informações para a população. Se esse sistema de informações desaparece, o país perde muito em termos de planejamento”, declarou.

Defesa do Censo 2020

As instituições também se reuniram para defender a realização do Censo 2020, organizado pelo IBGE, órgão de competência federal. Devido às restrições orçamentárias e financeiras suscitadas pela crise econômica no país, há um temor quanto à viabilização da pesquisa.

Para Marcelo Virgínio, chefe da unidade Maranhão do IBGE, o censo demográfico é a reunião de dados e estatísticas mais importante produzida por qualquer país. “Todas as políticas públicas e informações demográficas provém do censo demográfico. Nós temos o censo mais barato e mais bem feito do mundo, em termos de metodologia e alcance. Governar sem informação não é governar. Nós fazemos política de Estado, e não de governo. Por isso temos essa preocupação com a realização desse importante investimento social”, assegurou.

Sobre a ANIPES 

A Associação Nacional das Instituições de Planejamento, Pesquisa e Estatística (ANIPES) foi fundada em 1999, por iniciativa de órgãos estaduais, para discussão de temas no campo das atividades de produção e análise de informações, tendo como objetivo subsidiar o planejamento governamental e permitir o acompanhamento da conjuntura social e econômica no Brasil.

Atualmente, são 29 instituições filiadas, de todo o Brasil, reunindo instituições com diferentes naturezas organizacionais – fundações, autarquias e da administração direta e indireta – e âmbitos de governo – federal, estadual e municipal.

Por meio de encontros anuais, eventos regionais, cursos de capacitação de curta duração, Boletim de Estatísticas Públicas, projetos em rede entre outras iniciativas, as instituições filiadas têm a oportunidade de trocar experiências de pesquisas, compartilhar metodologias, capacitar suas equipes técnicas e desenvolver atividades em parceria técnica entre si e com o IBGE, Ipea, Ministérios, além de outras organizações no país e no exterior, com o intuito de colaborar com o aperfeiçoamento do Sistema Estatístico Nacional.

Comentários

Comentários